Mãe de ferro

Levantou bem cedo, antes do galo cantar. Preparou aquele café bem forte para acordar. Um novo dia chegou.

Dona Lúcia não via descanso já fazia tempo. Mãe solteira, carregava um filho com a vida. Pedro de sete anos.

Lá no horizonte o sol nascia e a comunidade em que morava acordava junto com o clarão.

Lúcia morava sozinha em um barraco, no alto do morro. Até que numa manhã, Pedrinho a perguntou por que era negro. Sua mãe sem jeito e sem saber o que dizer, respondeu ao menino com outra pergunta:

– Por que filho você quer saber isso?

– É porque mamãe, na escola me chamaram de preto e que eu deveria voltar à senzala – diz o menino com voz tristonha e cabeça baixa.

Lúcia logo tratou de ajeitar seus longos e negros cachos e pensar em uma boa resposta. Porém, ela não sabia como responder o filho. Pois o preconceito já tomara conta da sociedade.

O filho aguarda ansioso pelo argumento de sua mãe, e nada sai de seus lábios. Só o medo de encarar Pedrinho nos olhos.

O menino, sem nenhum conselho, desiste de prosseguir com a sua dúvida. E toma o seu rumo.

Pouco tempo depois, ele já estava pronto para ir à escola. Com a mochila nas costas, lancheira na mão e o rosto pintado de branco. Lúcia, assim que percebeu a maquiagem na face dele, indagou-se o porquê disso. Sem aguentar, uns pinguinhos caem de seus olhos. Ainda enxugando as lágrimas, ele fala ao menino:

– Olha filho, você deve ser forte. Saiba que pela vida, a sociedade irá te segregar por você ser negro. Mas não se abale. A tua raça carregou esse país no braço, ou melhor, ainda carrega. Também construiu esse país! Não legue para o que os outros vão dizer. O sangue que pulsa dentro de mim, tem a mesma cor do seu e de todo o mundo.

Os dois entram em casa para Pedro tirar a sua falsa pele branca. Logo após, mãe e filho descem a ladeira, os dois tristes por terem que aguentar toda essa discriminação calados. Por serem negros, sendo confundidos como pretos. Pois não têm voz, são excluídos – desprezíveis.

Até quando ser negro será um empecilho para viver?

Racismo
Imagem Tumblr / Queimando o Preconceito
Anúncios

7 comentários sobre “Mãe de ferro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s