Dia de hoje

 

O dia raiou e você ainda vivendo o ontem. Está na mesma página deste livro, procrastinando a seguinte. Se calou quem escondeu no bolso, a vontade de experimentar o novo. No entanto, os ímpios avançavam os degraus, ele descueu três, pois deixou aos pés desta escadaria, a força de vontade. Queixou-se dos pés, pois doíam depois de uma curta caminhada. Entretanto, os mesmos que subiam, vinham duma longa caminhada. O trem da vida enguiçou e tiveram de seguir por estes trilhos alheios. De pés já na carne viva, pouco se licharam.

Continuar lendo “Dia de hoje”

Etcetera

hospital-661274_960_720.jpg

Morreu. Faleceu quem um dia despertou algo em mim e hoje em dia, nem uma luz do meu encanto acende. Na autópsia, foi declarada falência múltipla dos sentimentos. Não havia mais o que fazer, todo o interior já estava contaminado pelo desamor. Tomou o último suspiro nesta fria tarde, nada tive nada mais a fazer. Não havia contraceptivo, além da partida.  Continuar lendo “Etcetera”

Vida em andamento

adventure-1807524_1920

Infelizmente, em alguns momentos temos de recuar um pouco. Dar um passo para trás ou permanecer no mesmo lugar. O que diferencia algumas pessoas, neste aspecto, é uns tentando dar passos além do pés e outros, humildemente economizando o solado do sapato para caminhadas futuras.

Quando paramos e refletimos, vemos tempos de outrora e aqueles olhares, não vistos mais. Dentro de cada um está uma evolução, seja ela pequena ou grande, não pare de progredir. Só não se esqueça também daquele sorriso no rosto. Longe de mim de proibir–te uma vez ou outra de esconder os dentes. Contudo, tenha sempre em mente o pensamento de voltar a sorrir.

Vão–se os dias, os meses, os anos… E ficamos aqui, neste mar de incertezas. À deriva estava um dia quem me indagou por estar sempre de cabeça erguida. Me desculpe, eu não sou obrigado a segurar em sua âncora e afundar junto contigo. Que bons ventos tragam o almejado, e que nesta próxima jornada, seja motivo de alegria. Breve estarei de volta!

“Sua chamada está sendo encaminhada à Caixa Postal”

cell-phone-690192_960_720.jpg

Eu tive inúmeras opções antes de desligar o telefone, estava com incontáveis escolhas, sem essas mesmas me levarem a lugar algum. Só fiquei plantado feito uma árvore e, de pernas cruzadas, ouvindo a uma voz que mesmo falando, continua sem som no meu interior. Decidi e prometi a mim mesmo: não iria mais derramar uma gota sequer dos meus olhos, por quem pouco vale enorme batalha. Este confronto de lados opostos e unidos concomitantemente (eu e eu). No cerne deste tabuleiro, estarias tu, arbitrando à guerra de maneira triunfante. Continuar lendo ““Sua chamada está sendo encaminhada à Caixa Postal””

Dicionário pessoal

Um dia desses, estive pensando sobre dicionário. Não aquele livro tradicional, com significados das coisas, no entanto, algo pessoal. Temos palavras dentro de nós, que tomam conta de tudo. Resumem–se tampouco em sons, mas também, em atos, pensamentos e modo de viver. Um grande passo é rever se realmente o sentido de cada uma não está deturpado, ou então, algumas precisam ser realmente deletadas.

Continuar lendo “Dicionário pessoal”

Sobre o amor

people-690547_960_720.jpg

Em existência, decerto, consigo pouco imaginar um ser sem amor. Seria pútrido seu interior, contaminado da doença mais avassaladora que alguém possa ter: o desgosto. Estaria fadado ao intenso mau prazer. Um coração não pulsa sem ternura. Pararia–se o músculo, hoje em dia, da pedra mais dura (sendo num tempo atrás, duma carne bem macia, cheia de prazer).

Continuar lendo “Sobre o amor”

Outrora

O homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe. — Rousseau

O mais viável agora seria buscar a empatia. As pessoas se fecham tanto e quando querem sair, não podem mais. Existem outros casos, que alguém pode até se ferir. Machuca–se a tal ponto, dessa ferida nunca sarar. Sensível demais ao toque. Quando vai cicatrizando, logo volta tudo de novo. Arde por dentro e é agoniante saber que isso será carregado. Transtornos amorosos e cotidianos. Exclusão da vida e intensa falta de sentimentalismo. Vai–se diminuindo cada vez mais o interior e quando para–se para ver, sobrou somente uma partícula singela dum ser outrora exuberante.

Continuar lendo “Outrora”

A única certeza

Parece meio vulgar ou indelicado dizer, com letras garrafais sobre nossa única certeza  morte. Estamos rodeados de incertezas e essa convicção torna–se a absoluta razão, para um mero mortal. Tanta preocupação e tentativa — em vão — de imaginar um amanhã almejado desde sempre. Porém, meu caro, o resultado depende da sua conduta. 

Continuar lendo “A única certeza”

Sobre o labirinto

desperate-2293377_960_720.jpg

Eu hesitei tanto em não querer, acabei perdido num labirinto. Na verdade, quis estar, venerei tanto esse lugar. Entretanto, estou bem diferente, noutra fase. O tal momento entrou invadindo meu interior e quando percebi, já estava todo preenchido por um enorme sentimento. É até difícil abrir o jogo. Estava tão entediante meu dia a dia, logo resolvi destoar um pouco. Cheguei tão solitário aqui e logo fui sendo minha própria companhia — algo pouco peculiar. 

Continuar lendo “Sobre o labirinto”

Eu cresci

pregnant-422982_960_720.jpg

Mãe, desculpe-me por todas as besteiras feitas por mim. Perdão pelo vaso de plantas quebrado, as paredes riscadas… Lembro-me das vezes onde eu fazia presentes na escola e entregava a você, com todo amor e carinho. Também recordo das broncas que eu levei, teus carinhos e beijos mais doces do mundo. Quando eu chorava na hora da entrada do colégio e contava todos os segundos possíveis até chegar à saída. E ia correndo encontrar seus braços… E as apresentações de Dia das Mães da escola, que eu ficava bem no fundo cantando, cheio de vergonha. 

Continuar lendo “Eu cresci”