Sobrepeso

pexels-photo-764880

Talvez esta folha que caiu ao meu colo, neste momento, possa me dizer algo. Uma coisa entalada dentro das bocas mais caladas. Ou, ela só queira repousar ao chão, e o vento trouxea até mim, por uma coincidência qualquer. Me entregou lembranças. Mesmo assim, prefiro me apoiar na primeira hipótese. Verdade seja dita, estou pesado demais. Tão consistente, a ponto de não poder mais me locomover pela estrada da vida. Fixo aqui, estirado ao chão, feito carne podre esperando ser consumido por uma bela grande árvore qualquer. Cansado apenas de carregar tudo isto, fadigado de levar pessoas comigo, justamente quem tira ainda mais minhas forças.

Continuar lendo “Sobrepeso”

Pela metade

Uma vez me disseram que o amor não presta, algo feito só para fazer as pessoas se afogarem num mar de lágrimas… Talvez essas águas não são de origem certa. E se você, na verdade se entregou precipitadamente a alguém indeciso e, para encobrir sua falta, põe culpa no próprio sentimento. Ora, o problema pode estar sendo carregado por vós. E na verdade, basta apenas fazer uma peneira. Decerto, não estou lhe dizendo para fechar as portas de suas moradas. Expulsar qualquer nova visita, deixar somente a penumbra entrar nas partes mais úmidas, quando o calor da luz solar poderia acabar com esta fase obscura de dizer sobre algumas coisas não valerem a pena.

Continuar lendo “Pela metade”

Dia de hoje

people-3060107_12801711722868.jpg

O dia raiou e você ainda vivendo o ontem. Está na mesma página deste livro, procrastinando a seguinte. Se calou quem escondeu no bolso, a vontade de experimentar o novo. No entanto, os ímpios avançavam os degraus, ele descueu três, pois deixou aos pés desta escadaria, a força de vontade. Queixou-se dos pés, pois doíam depois de uma curta caminhada. Entretanto, os mesmos que subiam, vinham duma longa caminhada. O trem da vida enguiçou e tiveram de seguir por estes trilhos alheios. De pés já na carne viva, pouco se licharam.

Continuar lendo “Dia de hoje”

Etcetera

hospital-661274_960_720.jpg

Morreu. Faleceu quem um dia despertou algo em mim e hoje em dia, nem uma luz do meu encanto acende. Na autópsia, foi declarada falência múltipla dos sentimentos. Não havia mais o que fazer, todo o interior já estava contaminado pelo desamor. Tomou o último suspiro nesta fria tarde, nada tive nada mais a fazer. Não havia contraceptivo, além da partida.  Continuar lendo “Etcetera”

“Sua chamada está sendo encaminhada à Caixa Postal”

cell-phone-690192_960_720.jpg

Eu tive inúmeras opções antes de desligar o telefone, estava com incontáveis escolhas, sem essas mesmas me levarem a lugar algum. Só fiquei plantado feito uma árvore e, de pernas cruzadas, ouvindo a uma voz que mesmo falando, continua sem som no meu interior. Decidi e prometi a mim mesmo: não iria mais derramar uma gota sequer dos meus olhos, por quem pouco vale enorme batalha. Este confronto de lados opostos e unidos concomitantemente (eu e eu). No cerne deste tabuleiro, estarias tu, arbitrando à guerra de maneira triunfante. Continuar lendo ““Sua chamada está sendo encaminhada à Caixa Postal””

Dicionário pessoal

Um dia desses, estive pensando sobre dicionário. Não aquele livro tradicional, com significados das coisas, no entanto, algo pessoal. Temos palavras dentro de nós, que tomam conta de tudo. Resumem–se tampouco em sons, mas também, em atos, pensamentos e modo de viver. Um grande passo é rever se realmente o sentido de cada uma não está deturpado, ou então, algumas precisam ser realmente deletadas.

Continuar lendo “Dicionário pessoal”

Outrora

O homem nasce bom, mas a sociedade o corrompe. — Rousseau

O mais viável agora seria buscar a empatia. As pessoas se fecham tanto e quando querem sair, não podem mais. Existem outros casos, que alguém pode até se ferir. Machuca–se a tal ponto, dessa ferida nunca sarar. Sensível demais ao toque. Quando vai cicatrizando, logo volta tudo de novo. Arde por dentro e é agoniante saber que isso será carregado. Transtornos amorosos e cotidianos. Exclusão da vida e intensa falta de sentimentalismo. Vai–se diminuindo cada vez mais o interior e quando para–se para ver, sobrou somente uma partícula singela dum ser outrora exuberante.

Continuar lendo “Outrora”

A única certeza

Parece meio vulgar ou indelicado dizer, com letras garrafais sobre nossa única certeza  morte. Estamos rodeados de incertezas e essa convicção torna–se a absoluta razão, para um mero mortal. Tanta preocupação e tentativa — em vão — de imaginar um amanhã almejado desde sempre. Porém, meu caro, o resultado depende da sua conduta. 

Continuar lendo “A única certeza”