Cor para todo gênero

wp-1484442402682Estava eu fazendo as palavras cruzadas de um jornal. No meio do entrelaçado de todas as palavras, veio a pergunta: “cor de menino?”. No espaço oferecido, são só quatro quadradinhos e nas respostas está “azul”. Mas a cor de um menino realmente é azul? Quando quem ou o quê criou as cores foi logo taxado o azul como “cor somente de menino”? E também o rosa, sendo o oposto, “de menina”? São padrões da sociedade.

Continuar lendo “Cor para todo gênero”

Seja

 

tumblr_m5bkvsz6j81r9ws4xo1_1280-1-miniatura-800x446-81829
Imagem Tumblr/ “Onde está sua identidade?”

Seja. Seja você, seja livre, seja preso, “seje” com E, seja feliz ou triste. Seja bom, seja ruim, seja da paz, seja vivo, seja morto. Seja feito de alegria, seja amoroso. Seja cristão, até ateu. Seja homem, seja mulher, seja hétero, seja gay, seja bissexual – o que se sentir melhor. Seja preto, moreno, pardo, marrom, branco… Também vermelho! Seja rico, seja pobre. De exatas, humanas ou todas as áreas. Seja leitor, seja ouvinte, seja opinador. Seja da roça ou da cidade. Seja inteligente, seja pouco conhecedor. Seja superior ou inferior. Seja da favela, seja do asfalto… Seja cotista e não se envergonhe. Seja tímido, seja extrovertido e ousado. Seja selvagem. Seja gordo ou magro. Seja o que quiser.
Continuar lendo “Seja”

Quebrando protocolos

Por que ficar com o vestido limpo se podemos brincar com terra? Ter vergonha de amar? Não usar sombrinha na chuva, podendo tomar um banho de alegria? Usar a roupa que quiser, se para o nosso eu não há moda? Escrever com o lápis mesmo sem ponta? Beber café em taças e não em xícaras? Ter uns quilinhos à mais? Ser rei(a) sem coroa? Enxergar sem óculos? Comer chocolate sem se lambuzar?

Estou cansado de viver em um regime onde felicidade é exposta e não vivida. Onde quem é bonito, é acimétrico. No lugar que a beleza conta mais que a vida.

Viver em sociedade é todos tendo suas opiniões respeitadas, vivendo felizes em um conjunto. Não no modelo de hoje, onde ela é uma máquina ditadora de vida. Nos tornamos verdadeiras marionetes. Então pegue as suas cordas e corte-as. Deixando para trás esse vício de ser quem não é. Tirar a venda dos olhos ou pegar uma gilete e abri-los.

Quero sentir o sabor sem ter de mastigar trinta vezes. Andar com o tênis rasgado para meus pés tocarem no chão e sentir a natureza. Sair de madrugada afim de olhar a lua e as estrelas sem medo da escuridão. Dar um grito no meio da rua para o mundo inteiro escutar o quanto estou feliz sem ser chamado de maluco. Eu quero viver a minha vida livre, sendo eu. Sem ser posto limites pois no meu mundo não há territórios e fronteiras. Apenas um quintal imenso plantado com a minha felicidade.

image