Dicionário pessoal

Um dia desses, estive pensando sobre dicionário. Não aquele livro tradicional, com significados das coisas, no entanto, algo pessoal. Temos palavras dentro de nós, que tomam conta de tudo. Resumem–se tampouco em sons, mas também, em atos, pensamentos e modo de viver. Um grande passo é rever se realmente o sentido de cada uma não está deturpado, ou então, algumas precisam ser realmente deletadas.

Continuar lendo Dicionário pessoal

Sobre o amor

people-690547_960_720.jpg

Em existência, decerto, consigo pouco imaginar um ser sem amor. Seria pútrido seu interior, contaminado da doença mais avassaladora que alguém possa ter: o desgosto. Estaria fadado ao intenso mau prazer. Um coração não pulsa sem ternura. Pararia–se o músculo, hoje em dia, da pedra mais dura (sendo num tempo atrás, duma carne bem macia, cheia de prazer).

Continuar lendo Sobre o amor

A única certeza

Parece meio vulgar ou indelicado dizer, com letras garrafais sobre nossa única certeza  morte. Estamos rodeados de incertezas e essa convicção torna–se a absoluta razão, para um mero mortal. Tanta preocupação e tentativa — em vão — de imaginar um amanhã almejado desde sempre. Porém, meu caro, o resultado depende da sua conduta. 

Continuar lendo A única certeza

Leve somente o necessário

traveler-1611614_960_720

Na hora de escolher o que levar em sua bagagem, leve somente o necessário. Aquilo que não pesará na sua vida. Saiba que tu carregarás isso por um curto ou longo tempo. É bem difícil separar o útil do fútil, mas, é necessário. Pois às vezes, enchemos tanto nossas malas com coisas que não usaremos, que nem dá para fechar. E não adianta pular em cima para comprimir ou sentar que não fecha. Basta abri-la e fazer uma peneira. Afinal, o que levar? O que te faz bem! Sim, aquilo que faz-te respirar com aquele semblante de alívio. Nem que seja um item, feche a mala. Ou ainda, nem que você não leve nada e vá guardando as coisas pelo caminho, vá sem medo, apenas vá!

Continuar lendo Leve somente o necessário

(Re)Encontre-se

Por vezes ficamos perdidos. Perdidos em nós mesmos, desencontrados nesse mundo e incapazes de viver coerentemente. São tantos esconderijos interiores fazendo-nos desligar das emoções. E acabamos encolhidos num canto particular, enrijecidos e magoados. Perdição que procuramos, perdição que queremos. Cada um sabe dos seus medos, suas mazelas, seus maiores pecados e pontos mais sensíveis. Contudo, esses lados nossos estão sempre à frente e acabam transbordado.

Continuar lendo (Re)Encontre-se

Você é o que tenta transparecer?

self-portrait-1707955_960_720Sim, esse sou eu. (Posso até dizer noutra língua: yes, that’s me.) E nos parênteses que abrimos nessa vida, é que sigo essa longa jornada. Pois às vezes, precisamos pensar mais em nós mesmos. Esquecer o que vão falar. Chegar no espelho, olhar mais profundamente e dizer “é assim que sou”. Carregamos tantos pesos em nossas costas pelo que tentam nos induzir a ser (pesos que não são nossos e, por ventura acabadam sendo), que cansados. Eu cansei. É tanto plástico querendo se passar por vidro, tanta vela fingindo-se de lâmpada, tanta pessoa tentando ser quem não é. Continuar lendo Você é o que tenta transparecer?